Controle de estoque na construção civil

6 erros mais comuns no controle de estoque da construção civil (e como evitá-los)

Controles de estoque podem ser a diferença entre uma obra de sucesso ou problemas em excesso. Saiba quais são os principais erros e como evitá-los.

Controle de compras e materiais é elemento essencial para garantir que o orçamento das obras não seja ultrapassado, além de garantir que tudo corra dentro dos prazos estipulados e dentro do planejamento de obras definido.

Ainda que muitas construtoras saibam disso, poucas se lembram que parte essencial dessa otimização é controlar os estoques. 

Não saber os materiais e equipamentos disponíveis, quais estão em uso e quais serão utilizados a seguir pode causar impactos muito negativos na obra.

Todo o funcionamento de um planejamento de obras depende da qualidade e cumprimento de prazos na disponibilidade de insumos. 

Uma obra que fica sem materiais, tem atraso nas entregas ou encontra defeitos nos equipamentos na hora do uso sofre com maiores riscos de acidentes, atrasos e altos custos de compras emergenciais.

Saiba mais sobre as compras emergenciais e quais as táticas para evitá-las aqui! >

Saber como livrar a construtora e seus projetos dos impactos negativos da falta de controle de estoque na construção civil é bem simples, mas, primeiro, é preciso conhecer os erros enfrentados para depois corrigi-los.

Quer saber como solucionar problemas de estoque que você talvez nem saiba que sua construtora possui? É só seguir lendo.

Controle de estoque: erros mais comuns e soluções mais eficientes na construção civil

Conseguir um controle de estoque eficiente e que beneficie as construtoras o máximo possível depende muito de entender e identificar os erros cometidos e saber como solucioná-los.

Veja aqui os 6 erros que mais prejudicam o estoque e formas simples de solucioná-los:

1 – Falta de comprometimento com os inventários 

Fazer inventário é uma tarefa chata e repetitiva, mas que tem que ser realizada periodicamente. 

Mesmo com um controle de entrada e saída de insumos, refazer a contagem do estoque é importante.

Apenas acompanhando e conferindo com frequência é possível escapar de erros ao anotar entrada e saída de materiais. 

Fazer o inventário permite, ainda, identificar roubos e desperdícios.

2 – Não possuir integração de sistemas e departamentos

Integrar sistemas e departamentos é uma dica dada com frequência na otimização de processos da construção civil. No estoque, essa integração é feita com os departamentos, financeiro, de compras e vendas.

Controlar o estoque depende de saber quando e quantos insumos vão entrar e sair no período. 

Se o departamento de compras não tem conexão com o de vendas não é possível determinar a melhor data e quantidade de materiais e insumos a serem comprados.

Sem uma comunicação direta e troca de dados com o financeiro, é impossível saber quando o pagamento pelas vendas estará disponível. 

Todos esses processos são importantes, mas não adiantam de nada se não há uma comunicação com o estoque para saber se:

  • existem materiais disponíveis;
  • se há espaço para armazenamento;
  • o que é necessário comprar;
  • o que já foi utilizado, entre outros dados.

Garantir a integração dos sistemas é fácil com o uso de tecnologias. 

Um software de gestão de obras pode ser a melhor alternativa, já que oferece muito controle da entrada e saída de materiais, fluxo de caixa, contato com clientes de venda e facilidades para a compra com canal direto com fornecedores.

3 – Ignorar demanda na hora da compra

Não saber quais vendas têm sido feitas, quais as próximas obras, quais equipamentos necessitam de manutenção e o que pode esperar algum tempo antes que a compra seja feita prejudica todo o planejamento de obras e financeiro de uma construtora. 

Conhecer a demanda por produtos e as necessidades dos projetos evita desperdícios e perda de materiais por ficarem armazenados por muito tempo.

O único jeito te ter mais consciência das demandas é analisando as vendas e obras e descobrindo quais produtos tem mais saída e quais costumam ficar mais tempo em estoque. 

A partir dessa análise é que as decisões de compras devem ser tomadas.

4 – Dados desatualizados

Com muitos projetos sendo executadas e planejados ao mesmo tempo, um dia pode ser muito tempo para que uma construtora tenha acesso às informações. 

Saber como está o andamento das obras, o uso dos insumos e o fluxo de caixa é base para toda decisão sobre o estoque e, por isso, é essencial ter os dados sempre em mãos.

Atualizar os dados não é tarefa de outro mundo, mas na correria do dia a dia do canteiro de obra é um hábito muito negligenciado. 

O ideal é buscar formas de fazer a atualização minuto a minuto.

Buscar por tecnologias de computação em nuvem, como é o caso do Onedrive e do Google Drive, por exemplo, é uma boa alternativa. 

Basta a conexão com a internet para que o responsável no canteiro de obra ou na construtora insira os dados de cada acontecimento nas planilhas.

Assim é possível evitar decisões erradas e falhas por falta de informação e erros que resultem em desperdício do material em estoque, gastos desnecessários com compras e outros problemas.

5 – Não utilizar a curva ABC

A curva ABC é utilizada para classificar por importância e custo os insumos da construtora. Claro, não é porque um insumo está no grupo A, sendo mais caro, que ele pode deixar de ser comprado.

Na verdade, o que a curva ABC faz é ajudar na logística de compras, permitindo que a construtora programe as compras e aproveite as melhores ofertas e possibilidades de negociação.

Saiba mais sobre a curva ABC aqui! >

6 – Descuidar da logística de transporte e armazenamento

Garantir a integridade dos materiais no estoque é essencial para evitar desperdício de dinheiro e insumos. 

Lembre-se, materiais estragados significam uma nova compra, muitas vezes de urgência, gastos não pensados no orçamento e atrasos no cronograma.

A melhor forma de garantir que tudo saia bem no transporte e armazenamento dos insumos é analisando as necessidades de cada produto. 

Saiba o que pode ser empilhado, o que deve ser protegido de chuvas e sol forte e outros detalhes essencial para escolher onde e como armazenar.

Organizar a logística também é essencial. 

Organizar o canteiro de obra, evitando transportes em grandes distâncias reduz os riscos de quebra. Outra forma é gerenciar as compras para evitar que insumos fiquem muito tempo armazenados.

Conseguir cuidar da logística e armazenamento depende de conseguir acompanhar de perto o cronograma de obras. Uma das melhores formas é por meio de Relatórios Diários de Obras. Assim a construtora sabe quando comprar os materiais e evitar problemas.

Gestão de estoque pode ser diferencial na construção civil

Descuidar dos insumos dos projetos e acabar tendo nas mãos desperdícios de materiais e equipamentos quebrados gera muitos problemas para as construtoras. Esses problemas representam a necessidade de compras de última hora, gastando um dinheiro que não era esperado.

Um material desperdiçado gera atrasos, já que os novos materiais terão que chegar para que a execução continue, atrapalhando todo o dia a dia da obra e a organização do planejamento.

Buscar por softwares que atendam as necessidades da gestão de estoque e garantam a otimização do cuidado com os insumos é essencial. Apenas um bom software, como os de gestão de obras, pode gerar a praticidade e controle que as construtoras precisam para crescer.