9 formas e muitas dicas sobre como calcular o material de construção

9 formas e muitas dicas sobre como calcular o material de construção

Saiba como calcular o material de construção da sua obra de forma prática e sem erros. 

O bom andamento de uma obra exige ter a mão de obra e o material de construção para cada etapa no momento necessário. Com isso, é possível garantir que atrasos não ocorram por falta de insumos e as compras não tenham que ser feitas de última hora.

Para assegurar que sua obra não terá esses problemas, que podem causar grandes prejuízos com os atrasos e gastos não previstos em orçamento, é essencial saber como calcular material para obra, além da quantidade exata que será utilizada de cada um deles.

Ainda que seja uma etapa óbvia, pode ser difícil, já que considerar medidas, inclinação e outras características das estruturas e materiais faz com que o cálculo não seja uma simples multiplicação.

Pensando em formas de ajudar sua construtora com a gestão desses insumos, preparamos esse conteúdo com algumas dicas de como calcular o material de construção. Acompanhe.

Como calcular material para obra? 

O cálculo para fazer a gestão dos materiais de construção sempre toma como base principal a área a ser construída ou reformada no projeto. 

O tamanho da parede, por exemplo, é o que determina a quantidade de tijolos, tinta, revestimento, cabos de energia, canaletas e outros elementos que fazem parte da estrutura completa.

Para realizar esses cálculos sem errar, a melhor dica é consultar sempre um engenheiro ou arquiteto. 

Especializados em analisar estruturas da construção civil, são profissionais capacitados e experientes que vão saber realizar os cálculos sem erros considerando todos os detalhes de cada estrutura do projeto.

Além disso, é preciso sempre considerar riscos, como danos e quebra de materiais no transporte ou por erro, sendo uma dica extra sempre comprar 10% a mais do previsto

Esse material extra vai evitar que sua obra acabe sem materiais e, se sobrarem no final, podem ser enviados a outros projetos ou armazenados em estoque.

Ainda que seja indispensável ter um desses profissionais participando da previsão de quantidades de materiais, nunca é demais saber como cada material deve ser calculado e estar preparado para avaliar a gestão de materiais.

Principalmente se você é o administrador do projeto.

Veja aqui 9 materiais de construção muito utilizados em obras e como calcular suas quantidades:

1. Tijolos

O cálculo da quantidade de tijolo é um dos mais simples, bastando saber a área em metro quadrado que será construída. 

A dica para não cometer erros aqui é verificar com cuidado o tipo de tijolo que será utilizado.

Existe uma variação de tamanhos dependendo do modelo de tijolo que será utilizado. 

Assim, é necessário verificar a medida do tijolo que será comprado e calcular sua área (altura x largura) para depois dividir pela área total da obra.

Para evitar o risco de falta de materiais por quebra, desconsidere os vãos de janelas e portas, calcule como se elas não existissem.

Já que, algumas vezes, será necessário utilizar alguns tijolos a mais para fazer seu contorno e garantir as medidas corretas. 

E não esqueça de adicionar os 10% para imprevistos.

Leia também: 

Sustentabilidade na construção civil: tijolo ecológico – Obra Prima

2. Pisos e revestimentos

Além de saber a área total a ser revestida e receber piso, esses materiais de construção exigem, também, considerar o rendimento de cada caixa de material comprada.

O processo aqui, então, é verificar o rendimento de cada caixa e dividir pela área onde os pisos e revestimentos serão aplicados. É importante considerar, também, a área do rejunte.

Outra dica para não esquecer é que existe uma margem de segurança que varia de acordo com a medida das peças. 

A margem de 10% se mantém para peças de até 15 cm, mas para peças com 30 cm ou mais a margem acrescentada deve ser de 15%

Por precaução, já que em caso de emergência pode ser difícil encontrar o mesmo piso e revestimento para comprar de última hora, sempre tenha uma caixa a mais guardada.

3. Tinta

A quantidade de latas de tinta depende de alguns fatores como:

  • Quantas mãos de tinta o fabricante recomenda;
  • Qual o rendimento da lata – que varia de acordo com marca, tipo de tinta e tipo de superfície;
  • A área a ser pintada;
  • Considerar a proporção de 3,6L para cada 18m².

No caso de paredes mais porosas, será necessário de 5 a 10% mais de material, e não esqueça de acrescentar, em todos os casos, 10% da margem de segurança.

4. Cimentos e argamassas

O cálculo do cimento e argamassa é muito simples se você compra o material pronto.

Em geral, é necessário 10 quilos de cimento para cada metro quadrado de obra, sendo necessário apenas calcular a área total da obra. 

Para a argamassa, a quantidade por metro quadrado de obra é indicada pelo fabricante, e fica em torno de 17 a 20 quilos com 1 cm de espessura. 

Essas medidas podem ser consideradas também na hora de comprar material para produzir argamassa e cimento no canteiro, sempre lembrando daqueles 10% a mais da margem de segurança.

5. Concreto usinado

Uma grande diferença na hora de comprar o concreto usinado é que seu cálculo é feito em metro cúbico, já que ele é usado para estruturas com espessura, ou seja, exige calcular volume e não área das peças a serem construídas.

Ainda assim, o cálculo se mantém simples, calcule o volume da peça multiplicando largura x comprimento x altura. 

Depois, basta verificar a área da obra e dividir pelo tamanho das peças para saber quantas serão necessárias.

Lembre-se de ter material suficiente para fazer peças extras caso seja necessário.

Leia também: 

Concreto usinado: vantagens e desvantagens – Obra Prima

6. Armações de aço

Quando a construtora compra as armações ou estruturas em aço prontas, nenhum cálculo é necessário, basta enviar as medidas para o fabricante e ter a peça no tamanho exato para sua obra.

No entanto, se sua construtora vai produzir as estruturas no canteiro e precisa comprar as barras de aço, o primeiro passo é calcular a metragem linear e depois dividir por 12, o tamanho padrão das barras de aço.

Existem muitos modos de calcular a metragem linear, uma vez que varia por tipo de estrutura e armação a ser realizada. 

No caso das colunas é preciso multiplicar a metragem da coluna pela quantidade de barras e depois calcular a metragem linear de cada coluna multiplicada pela quantidade de colunas do projeto, chegando à metragem linear total

Para estribos segue o mesmo processo: metragem linear de um estribo e depois multiplicar pela quantidade de estribos para saber o total. 

Em cada coluna é necessário verificar o número de estribos, o que se consegue dividindo a altura da coluna pelo espaçamento entre os estribos e depois multiplicar pelo total de colunas para ter o total de estribos.

Leia também: 

Construção do futuro: tudo o que você precisa saber sobre Steel Frame! – Obra Prima

7. Madeiras para caixarias

As caixarias de sarrafo ou madeira são essenciais para dar formato às peças de concreto. 

A quantidade aqui pode ser calculada por peça ou por área, sendo por área o modo mais comum.

A conta é simples: calcule a área total que as formas precisam cobrir e divida pela medida da tábua para saber quantas tábuas serão necessárias. 

Se sua construção for utilizar o sarrafo, uma medida comumente usada é a de 7,5 metros de sarrafo para cada tábua da caixaria.

As exceções para o cálculo são radier e lajes, que em lugar de calcular área exigem fazer a mesma conta, mas calculando perímetro.

8. Caixa-d’água

O mercado da construção civil oferece uma grande variedade de tamanhos de caixa-d’água e é essencial comprar o tamanho certo para atender as necessidades e dimensões de cada edificação.

Ao contrário de outros materiais, em que você considera o tamanho da estrutura, o oposto acontece com a caixa d’água. 

Ela não é pensada de acordo com o tamanho da estrutura, a estrutura é que deve suportar um tamanho específico.

O tamanho é definido pela necessidade de abastecimento, considerando número de usuários, tamanho da edificação e possíveis imprevistos, como o município ficar sem água. 

Para isso, se consideram médias diárias de uso de água por morador/ usuário da edificação, que é de 150 litros.

Para garantir que a quantidade de água seja suficiente para cobrir imprevistos, o total de consumo diário para todos os moradores deve ser multiplicado por dois. 

É com base na quantidade de litros diários que se escolhe a caixa-d’água e prepara-se o espaço no projeto para instalá-la.

9. Telhas

Telhas, assim como tijolos, possuem variedade, ou seja, são produzidas com diferentes características de material, tamanho, peso e inclinação e algumas dessas características podem interferir muito no momento de decidir quantas telhas será necessário comprar para a obra.

Os cálculos de quantas telhas comprar precisa considerar área e inclinação, que são considerados em etapas diferentes. 

Primeiro é necessário definir a área total a ser coberta, multiplicando comprimento por largura sem esquecer de considerar a medida do beiral.

Uma vez que se tem a área total de aplicação das telhas é necessário verificar o quanto ela se amplia em decorrência da inclinação. 

Lembre-se: quanto maior a inclinação, mais telhas serão necessárias.

Essa inclinação gera o que a construção civil chama de fator de correção das telhas. 

Existe uma fórmula para calcular a correção, mas ela é muito complicada, então uma alternativa é consultar tabelas de correção, como a que trazemos aqui:

Table

Description automatically generated.

Assim, você calcula a área a ser coberta e multiplica pelo fato da inclinação que aquele tipo de telha exige para saber a área total. 

Com a área total, basta verificar a área de cada telha para saber quantas será necessário comprar.

Mais uma vez: não esqueça aqueles 10% de margem de segurança para as telhas, evitando sofrer com falta de material por causa de imprevistos.

Afinal, esse material de construção pode quebrar no transporte, no manuseio dos trabalhadores ou mesmo na hora de empilhar para armazenagem.

Cálculo fácil de materiais de construção com a ferramenta correta

Se os softwares de gestão de obras fazem um controle completo do projeto, não é de se espantar que sejam um grande diferencial quando utilizado na gestão de materiais. 

Além de um planejamento mais detalhado, softwares como o Obra Prima oferecem funcionalidades essenciais para evitar erros.

A primeira delas é o histórico de obras. Com todos os dados de projetos guardados no sistema, sua construtora tem a facilidade de verificar a quantidade real de materiais utilizados em obras anteriores do mesmo tipo.

Outro ponto é a plataforma de contato direto com fornecedores, que torna o processo de compra mais simples e permite verificar informações específicas sobre os produtos antes da compra.

Como a medida dos tijolos, o grau de inclinação das telhas e o rendimento de cada marca de tinta.

Além disso, a plataforma digital e com integração entre departamento de compras, planejamento e projetos oferece áreas para cálculos automatizados.

Importando informações de uma área para outra e reduzindo ao mínimo a possibilidade de erros matemáticos.

Por último, o software de gestão Obra Prima ainda traz a integração com a Tabela Sinapi, garantindo que esses cálculos exatos resultem em uma precificação ainda mais assertiva nos orçamentos.

Conheça mais funcionalidades do software de gestão de obras Obra Prima e garanta lucratividade, cumprimento de prazos e orçamentos sem erros para sua construtora. Acompanhe o nosso blog para mais conteúdos como esse. 

Software de gestão de obras