Cronograma físico-financeiro para a construção civil

Qual é a verdadeira importância do cronograma físico-financeiro da obra?

Crescimento e controle financeiro andam sempre de mãos dadas em construtoras. Veja como um cronograma físico-financeiro pode beneficiar seus negócios.

Toda construtora busca aumentar sua lucratividade e investir e formas de intensificar seu crescimento. 

O controle de processos é e sempre foi a única forma de assegurar esse crescimento, apenas com uma gestão eficiente é possível garantir que tudo corra dentro do planejado e se possa ter lucro.

Entenda aqui sobre como aumentar as suas chances de ter lucro em cada obra >

Ferramentas de gestão de obras e focadas no controle do orçamento e cronograma surgem todos os dias, buscando oferecer ainda mais eficiência para construtoras. 

No entanto, para que elas atendam às necessidades é necessário saber o que desenvolver e otimizar.

Entre as possibilidades a serem exploradas está cronograma físico-financeiro. 

Ele é uma ferramenta essencial para construtoras que desejam otimizar a gestão de obra, controlando cronogramas, cumprindo prazos e se mantendo dentro do orçamento.

Entenda melhor como ele funciona e conheça os benefícios que pode trazer para sua empresa de construção civil. 

Cronograma físico-financeiro: o que é e para que serve?

Para empresas que se preocupam em manter as obras dentro dos prazos e orçamento, o cronograma físico-financeiro é essencial. 

Confira aqui os 7 motivos para fazer um cronograma físico-financeiro >

Essa ferramenta de planejamento garante que o controle das etapas seja otimizado e a construtora possa se beneficiar de tudo o que foi considerado no planejamento.

O controle ocorre por meio de um processo de planejamento diferenciado da obra. Os custos são considerados com base em etapas físicas, ou seja, no que é construído no projeto, evoluindo gradativamente à medida que a obra avança.

Ao contrário de diversas outras ferramentas de controle e planejamento na construção civil, essa é uma que não é aplicada antes da obra ter início. O cronograma físico-financeiro é, na verdade, um guia a ser usado durante a construção.

A realidade da execução é acompanhada, comparando a previsão com o foi feito e verificando se o orçamento está sendo gasto dentro do planejado. Explicando mais detalhadamente funciona assim:

Antes que a obra comece é feito um planejamento detalhado das etapas da obra e dos insumos necessários para sua execução.

Com esses dados é montado o cronograma físico-financeiro, mostrando quanto do orçamento é gasto em cada uma das etapas.

Quando a obra começa, o responsável pelo projeto acompanha o desenvolvimento das etapas, verificando a quantidade de material e a mão de obra utilizada nas etapas.

Assim, ele verifica se a cada etapa é utilizado o orçamento que estava previsto e se o tempo de execução está adequado. 

Quando gastos a mais surgem ou erros causam desperdício e ameaçam o cumprimento do prazo, o responsável percebe com antecedência, podendo tomar medidas para reverter o problema.

Impacto na geração de lucros da construtora

A lucratividade de uma obra depende diretamente da capacidade da construtora em controlar os custos e gastos na execução da obra. 

Em geral, a margem de lucro do projeto é definida no planejamento e orçamento inicial, sendo inserida antes do valor final do projeto ser enviado ao cliente.

Quando pensamos em uma margem de lucro definida antes do início da obra se torna claro que qualquer custo adicional gerado nas etapas tira uma parte do lucro que a obra deveria ter.

Nessa linha de pensamento, aplicar o cronograma físico-financeiro, que permite controlar melhor o uso dos recursos do orçamento e evitar gastos adicionais, é essencial para que o lucro da obra seja preservado.

Benefícios de um cronograma físico-financeiro eficiente

Existem 4 benefícios principais no uso dessa ferramenta no planejamento das obras de uma construtora. Conheça:

1. Financiamentos são facilitados

Diversas instituições que oferecem financiamentos de imóveis e valores para investimento na construção civil, em geral, usam o cronograma-físico de obras como documento de controle. 

Para instituições como Caixa e Banco do Brasil, mais do que um suporte, sua elaboração é uma exigência para a conseguir o financiamento.

Assim, se a construtora pretende pedir um financiamento para a realização de um empreendimento, o primeiro passo é fazer um cronograma físico-financeiro com cuidado.

2. Melhor gestão do fluxo de caixa

Se o cronograma permite verificar toda entrada e saída de dinheiro à medida que as etapas da construção avançam, cada centavo é contabilizado. 

A saúde financeira de uma construtora depende dessa melhor gestão do caixa.

Mais do que saber quanto e quando se está pagando pelos serviços e materiais e o que está sendo pago pelo cliente, o fato de manter a obra dentro do orçamento é outro aspecto garantido pela ferramenta e que permite gerir o caixa de maneira mais eficiente.

Cada custo fora do planejamento, seja por atraso, retrabalho ou desperdício, gera impacto não só no orçamento da obra, mas no dinheiro disponível para todo o funcionamento da empresa.

Sabendo quais e quando os insumos devem ser pagos e quando esperar o pagamento pela obra, a construtora pode organizar melhor seus custos operacionais.

3. Maior eficiência de equipes

Se o controle oferecido por esse cronograma acompanha o avanço da obra, é indiscutível que os próprios trabalhos e atividades são melhor executados. 

Assim, ter um bom cronograma físico-financeiro significa saber como as etapas devem evoluir, o que permite gerenciar melhor as equipes e garantir que trabalhem com máxima eficiência.

4. Planejamentos mais próximos da realidade

De certa forma, o cronograma age como um relatório diário de obra realizado não por dia, mas por etapa. 

As anotações e acompanhamento de quanto se paga por cada tipo de serviço e material e como eles são executados e quanto custam na prática são uma forma de ter dados mais concretos sobre a execução do projeto.

Imagine que esse é seu segundo projeto utilizando o cronograma físico-financeiro. 

Nos dois, ao levantar uma parede, foram necessários mais tijolos do que os previstos inicialmente e um dia a mais de trabalho do que o estipulado pelo cronograma inicial.

Pronto, a percepção da execução das atividades que sua construtora tinha mudou. 

Falhas na previsão inicial foram encontradas. Isso significa que, tomando como base esses dois cronogramas, a construtora já sabe que deve contabilizar mais tijolos e um dia a mais para o planejamento e orçamento do próximo projeto.

Cronograma físico-financeiro é apenas um passo

Cada detalhe em uma obra faz toda a diferença. Um cronograma físico-financeiro é essencial, mas não é a única ferramenta que deve ser usada para alcançar os melhores resultados. 

Quanto mais completo e eficiente o planejamento de um projeto, maior a lucratividade da empresa.

Busque sempre otimizar os processos, utilizar softwares de gestão de obras e conhecer as novidades do mercado de construção civil. Para sempre se manter atualizado, acompanhe os conteúdos exclusivos Obra Prima.

Receba conteúdos exclusivos sobre Construção Civil

Fique por dentro de tudo o que acontece na Construção Civil com a melhor newsletter do setor.

Sugestão de conteúdo: