Sistema de gestão de obras para as construtoras no segundo semestre

Fim do primeiro semestre: como está a sua construtora neste momento?

Está acabando a primeira metade do ano e é hora de definir como será o segundo semestre. Sua construtora está preparada?

O fim do primeiro semestre exige de todas as empresas uma análise profunda de como o mercado se comportou nesse período de crise e como a empresa estará para começar o segundo semestre.

A possibilidade de começar o próximo semestre no vermelho existe para a construtora? O planejamento para enfrentar os novos desafios já está pronto? Como a construtora se organizou no primeiro semestre? O que deu certo e o que não deu na primeira parte do ano?

Essas são algumas das perguntas que exigem uma reflexão nesse momento de crise para garantir possibilidades de crescimento nos meses que estão por vir. Se a construtora ainda não tomou medidas, o momento de começar é agora.

Planejar o segundo semestre é essencial para manter o controle do financeiro e assegurar a lucratividade. Ainda que muitas obras estejam paradas, a construtora não pode deixar de se movimentar.

Entenda como anda o mercado da construção civil, o que a crise tem causado e saiba como preparar os negócios para se recuperar no segundo semestre.

Como andava a construção civil?

Os últimos 5 anos têm sido os piores para o setor da construção civil, que enfrentava uma profunda crise como resultado dos problemas do país. 

O aumento do desemprego era constante e o número de projetos e obras cada vez menor.

Em 2019, no entanto, o setor viveu uma grande recuperação com novas vagas de emprego e obras se desenvolvendo, principalmente no setor imobiliário. 

Essa recuperação trouxe grande otimismo para a construção, que começava a se preparar para colher frutos no ano de 2020…

Outro setor da construção que apresentou grande crescimento no ano anterior foi o da infraestrutura, que acompanhava a recuperação e crescimento do país. 

A construção de centros esportivos e estádios para grandes eventos como a Copa do Mundo e as Olimpíadas foram grandes motivadores dessa recuperação.

A expectativa era que o primeiro semestre de 2020 mostrasse os resultados dessa recuperação, abrindo novas portas de investimento e um crescimento ainda maior para construtoras e infraestrutura do país.

No entanto, logo nos primeiros meses 2020 já veio com sustos. O começo de uma pandemia de escala internacional afastou investimentos externos e paralisou diversos setores da economia, dando um golpe duro na recuperação que se experimentava.

De acordo com o presidente da Câmara Brasileira da Indústria Civil (CBIC), José Carlos Martins, o enfrento da pandemia dependeria de ações governamentais para garantir a manutenção da recuperação vivida. Entre as medidas previstas estavam a liberação do FGTS para financiamentos e a reativação de obras públicas paradas.

Aqui, as construtoras começaram a colher os frutos da intensa atenção que deram ao planejamento e gestão de obras. Empresas que não começaram o ano com uma boa estrutura de gestão tiveram mais dificuldade em se adequar às novas medidas sanitárias e retomar os trabalhos.

O primeiro semestre foi marcado por um movimento de controle de danos. Manter empregos, garantir continuidade de pagamentos e conseguir retomar os trabalhos eram as prioridades para que o crescimento obtido em 2019 não se perdesse.

Com o fim do primeiro semestre, é hora de pensar em como as construtoras estão nesse momento e que medidas tomar para que o segundo semestre concretize as bases para uma recuperação.

Construtoras prontas para começar um novo semestre

Mesmo com a nova crise que afeta a economia, a construção civil brasileira ainda segue com expectativas positivas a médio e longo prazo. Com os auxílios do governo e a reorganização das construtoras para manter as atividades, os impactos sofridos no primeiro semestre ainda podem ser recuperados.

Claro, para ter a certeza de uma recuperação, é hora de reavaliar o planejamento de 2020, permitindo uma sobrevivência e preparação para a normalização dos negócios que se espera para 2021.

É hora de questionar se a gestão de obras e dos negócios está, realmente, em dia. Saiba o que verificar para ter a certeza de controlar bem os negócios da construtora:

Conquista de clientes

A busca por novos projetos não pode parar nunca. Conquistar clientes é essencial para manter os ganhos e recuperar os negócios à medida que o país se recupera de mais uma crise.

É importante lembrar que conquistar novos clientes depende, também, de manter um bom relacionamento com os que a construtora já possui. A indicação e referência são essenciais para aumentar a competitividade no mercado.

Por isso, é essencial investir em marketing e em canais de comunicação eficiente, tornando a construtora cada vez mais acessível ao público nos próximos meses.

Já conhece o cartão virtual Obra Prima? Ele pode ajudar muito nesse momento. >

Medidas de segurança e sanitárias

O coronavírus não é uma brincadeira e deixou o mundo todo preocupado e atento. Além de todas as medidas de Saúde e Segurança do Trabalho já exigidas pela lei, é hora da construtora pensar em como aplicar as medidas de saúde específicas da pandemia. Elas podem ser úteis mesmo depois.

Oferecer espaços adequados para lavar mãos, EPIs de qualidade, disponibilizar álcool em gel e repensar a logística de transporte dos trabalhadores para manter o distanciamento é essencial.

Pode parecer surpreendente, mas um bom cronograma de obras é essencial para essa organização. Controlar o tempo e evolução de cada etapa e quantas pessoas estarão presentes no canteiro de obra para cada uma delas é indispensável para garantir a máxima eficiência das medidas.

Controle de estoque

Com alguns dos projetos tendo que ser paralisados, os riscos de perda de materiais são grandes. Por isso, reavaliar a situação do estoque e dos espaços de armazenamento de insumos nos canteiros de obra é essencial.

A perda de materiais por falta de cuidado em armazenamento e transporte, não controlar entrada e saída e outros elementos que uma gestão de estoque analisa com cuidado significa prejuízo e pode ter um grande impacto no fim do mês.

Organização financeira

Toda reorganização interna da construtora impacta, diretamente, o financeiro. Quando se pensa na necessidade de manter o pagamento de funcionários, mesmo com um fluxo de caixa reduzido, o impacto é ainda maior.

Se a construtora vem seguindo os conselhos e observando as expectativas de mercado do último ano, as chances de ter um caixa que permita sobreviver à crise são grandes.

No entanto, nenhum caixa mantém os negócios se o financeiro não for controlado, organizado e acompanhado com eficiência. Se ainda não fez, é hora de investir em softwares que reduzam riscos de erros nesse departamento.

Sistemas de gestão de obra para um segundo semestre de sucesso

Toda crise dá medo para quem é dono de construtora ou funcionário do setor de construção civil, mas esse não é o momento para desespero. 

É hora de ter foco e buscar redução de custos, otimização de processos e investimentos com retorno.

Sistemas de gestão de obra são, mais do que nunca, a chave para o sucesso das construtoras. Com o controle de cada etapa das obras e dos departamentos internos da empresa será possível aproveitar as oportunidades que o mercado oferece.

Acredite, a crise vai passar e as oportunidades serão muitas, mas apenas para construtoras que estiverem preparadas. 

Comece agora a cuidar dos negócios da sua construtora conhecendo cada vez mais sobre o mercado da construção civil com os conteúdos do blog Obra Prima.