Melhores práticas de BDI para a construção civil

Melhores práticas de BDI para a construção civil

Otimizar orçamentos de obras é essencial para toda construtora e pode melhorar ainda mais com as melhores práticas de BDI para a construção civil. Descubra.

Controlar o orçamento de obras é essencial para obter bons resultados. Garantir que a construtora seja capaz de cobrir todos os custos da construção permite evitar atrasos e proteger a qualidade dos materiais usados e dos resultados obtidos.

Ainda que materiais e pagamento de mão de obra seja a primeira coisa na mente das construtoras, os custos indiretos também devem ser considerados. É nesse momento que o BDI é mais importante, garantindo que todos os custos envolvidos na obra e na manutenção interna da construtora sejam considerados.

Para otimizar ainda mais todo esse processo, existem algumas melhores práticas de BDI para a construção civil, que vamos apresentar a seguir.

Entenda o BDI desonerado

Desonerar o BDI é deixar de colocá-lo como obrigação na folha de pagamento das construtoras. Sim, o BDI é essencial para um orçamento correto e para proteger a lucratividade dos projetos, mas é possível calculá-lo de diversas formas.

Atualmente, as possibilidades de desoneração na folha permitem uma redução em 20% nos custos do INSS, reduzindo o valor das taxas aplicadas no cálculo do BDI. Outra possibilidade é utilizar o Acórdão 2622 do Tribunal de Contas da União (TCU), que trata de assuntos administrativos.

O Acórdão mencionado permite aplicar, dentro da regulamentação do BDI, valores variados por tipologia de obras. Assim, a construtora não precisa realizar os cálculos com valores máximos. Ela pode, dependendo das necessidades do orçamento, obra e cliente, utilizar valores médios ou mínimos.

Melhores práticas de BDI exigem entender que, mesmo com as possibilidades de desoneração, alguns elementos não podem ser deixados de lado. A inclusão dos cálculos da Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta (CPRB) é um exemplo.

Muitas construtoras deixam de incluir essa contribuição buscando reduzir o BDI, mas a ausência do CPRB causa, na verdade, um aumento no valor final do cálculo. Para ajudar as construtoras, a Caixa Econômica oferece ajuda com o cálculo do BDI desonerado em tabela SINAPI.

Ao pensar no BDI exonerado buscando as melhores práticas é importante lembrar de mais uma coisa. Não existe um percentual genérico e fixo que vale para todos os orçamentos. 

Cada tipo de obra e de contratação de mão de obra tem suas próprias tributações, trabalhando ora com lucro presumido, ora com lucro real.

Cada obra possui seu próprio cálculo e as particularidades devem ser respeitadas.

Para saber os principais erros no cálculo do BDI e como evitá-los basta clicar aqui >

Controle o BDI com atenção

Os melhores resultados para o uso do BDI dependem de controle e atenção na análise de custos e dados. É impossível conseguir a lucratividade e otimização dos orçamentos sem uma análise realista do mercado e possibilidades de cada projeto.

Manter preços de vendas competitivos e orçamentos mais assertivos e adequados às opções do mercado, construtoras passam a entender e poder controlar melhor seus custos.

Muitas vezes, no entanto, o erro cometido é desconsiderar ou esquecer alguns dos chamados “gastos invisíveis” do projeto. Com a quantidade de custos indiretos que uma obra e construtora possuem, esquecer algo não é tão raro quanto pode parecer.

Construtoras que trabalham constantemente com o BDI também correm esse risco. Por isso, o controle do BDI depende muito da constante revisão dos modelos utilizados e de uma rechecagem antes de finalizar os cálculos para cada projeto.

A atenção aos custos indiretos é o que ajuda a avaliar a qualidade da gestão de obra e identificar falhas a serem corrigidas. Todos os cálculos, então, se colocam como um diagnóstico para verificar a eficiência não só do orçamento, mas da gestão de obras no geral.

Algumas fórmulas para cálculo de elementos do BDI

Ainda que sempre que comentamos sobre o BDI falamos em uma única conta, na verdade, entender o BDI depende de diversos pequenos cálculos. Esse índice depende de calcular custos diretos, indiretos, acessórios e muitos outros detalhes que devem ser calculados separadamente para inserir na fórmula principal.

Mesmo o cálculo principal sofre variações dependendo do tipo de obra. É isso que vamos detalhar agora:

1. Custo indireto

São custos administrativos, de despesas do escritórios e de equipes técnicas, que possuem encargos sociais e outras taxas.  São necessárias 3 fórmulas para calcular a porcentagem referente à administração da obra. Isso porque é necessário utilizar a fórmula da porcentagem da administração da obra (Ao):

Ao=Df+Dm

Nela, Df é a porcentagem de despesas fixas e Dm a porcentagem de despesas mensais. Para calcular as despesas fixas é preciso saber o valor médio das despesas fixas (Σdespesasfixas) e o custo direto (CD), fazendo Σdespesasfixas dividido pelo CD e multiplicado por 100.

Df = Σdespesasfixas/CD.100

Já as despesas mensais são calculadas o valor médio das despesas fixas (Σdespesasfixas), multiplicado pela duração da obra (P), dividido pelo custo direto (CD) e multiplicado por 100.

Dm = (Σdespesasfixas.P)/CD.100

2. Custo acessório

São os custos não afetados direta ou indiretamente pela obra, custos que são rateados entre as obras a serem executadas e que mantém o escritório funcionando e pagam um fundo para imprevistos.

O principal custo acessória a ser calculado é o da administração central, que considera os custos de um determinado período de tempo e as obras que devem ser realizadas nele. Uma porcentagem saudável e que é capaz de manter o funcionamento da construtora é de 2% a 5% do cuso direto. A fórmula para o cálculo da Administração central (Ac) é:

Ac = despesa anual da sede / ΣCDdas obra do ano . 100

3. Custo financeiro

Seu cliente paga pelo que é apresentado na medição, mas quem efetivamente paga os trabalhos e materiais na obra é a construtora. Isso pode gerar uma perda de dinheiro por variação de preços do dia que o orçamento foi feito até o dia que a compra é realizada.

Calcular essa diferença é o papel do cálculo do custo financeiro, que usa como base o tempo, em dias, que o órgão demora para pagar a medição (n) e a porcentagem da taxa de juros mensais da aplicação financeira (j) na fórmula: 

Cf = (1+ j /100) (n/30) −1

4. Imprevisto e contingências

Toda obra passa por imprevistos e deve ter uma margem de contingência caso problemas ocorram. Inserir esses valores na hora de calcular é essencial para ter um BDI eficiente.

Estimar uma porcentagem para imprevistos é o diferencial para o sucesso da obra, mas não existe uma fórmula, apenas algumas recomendações.

Por exemplo, quando as obras são simples e o construtor experiente, recomenda-se uma margem de 0,5% em contratos por preço unitário e 1% em por preço global. Caso seja uma obra normal com construtor experiente, as porcentagens são de 1,5% e 2,5%. Já para obras complexas com construtor inexperiente, de 3% e 5%.

5. Seguro

Ter um seguro básico para caso de problemas na obra é muito importante. Seu percentual é calculado sobre o total da obra com a seguinte fórmula:

S = VS/CD.100

VS é o valor do seguro e CD, como já vimos, os custos diretos.

Variações no cálculo do BDI

Existe uma equação principal para calcular o BDI que é bem conhecida das construtoras. A fórmula principal é:

BDI = Custo/CDI.(1-i) – 1

Nessa equação:

  • Custo – todos os custos ligados à obra;
  • CD – custos diretos;
  • i – incidências sobre o preço de venda.

No entanto, se o valor calculado é referente à uma obra particular, existem alguns valores que não são considerados sempre, como a garantia e a administração de obra. Nesse caso, a fórmula muda para:

BDI = [(1+Ao+Ac+R+S).(1+Cf)/ 1-(L+T) -1].100

Onde:

  • Ao – Administração de obra;
  • Ac – Administração central;
  • R – Riscos;
  • S – Seguro;
  • Cf – Custo financeiro;
  • L – Lucro da empresa;
  • T – Tributos a serem pagos.

Bastando eliminar da fórmula o que não corresponde à obra em questão.

Já o BDI para obras públicas, por sua vez, não considera taxas de administração de obras para financiamento com verbas federais nem impostos do tipo IRPJ e CSLL. Elas ainda têm garantias mais diretas e lucro calculado sobre o custo direto e não sobre o preço de venda.

Com essas particularidades a fórmula se altera para:

BDI = [(1+Ac+R+S+G).(1+Cf).(1+L) / 1-T – 1] . 100

Aqui temos:

  • Ac – Administração central;
  • R – Riscos;
  • S – Seguro;
  • G – Garantias;
  • Cf – Custo financeiro;
  • L – Lucro da empresa;
  • T – Tributos a serem pagos.

Considerar cada uma dessas variáveis é importante para construtoras que desejam cumprir com as melhores práticas de BDI. Assim, é sempre essencial considerar as obras caso a caso.

Automatização do cálculo do BDI

Por mais atenção que os arquitetos, engenheiros e gestores tenham, toda análise e uso de dados e números corre riscos de erros humano. Quando falamos em grandes números e muitas variáveis, como acontece no cálculo do BDI esse risco se torna ainda maior.

Mesmo que muitas construtoras e profissionais estejam acostumados a sempre fazer essas contas com papel, calculadoras ou planilhas do excel, buscar formas de otimizar o processo reduz riscos, ainda que exija um período de adaptação.

No caso do BDI, a melhor forma de eliminar erros é usando automatização. Desde o levantamento dos custos indiretos da construtora até cada detalhe dos custos de uma obra, a automatização pode significar resultados muito melhores.

Controlar fluxo de caixa, explicar os custos para o cliente, organizar as margens de lucro e pagar custos indiretos devem ser parte de um bom orçamento e a tecnologia permite otimizar a inserção de todos esses elementos.

A automatização do cálculo do BDI por meio de sistema de gestão integrado, que ofereça uma visão completa dos custos indiretos e maior facilidade na organização do orçamento é, então, essencial para as boas práticas.

BDI: a ferramenta essencial do sucesso da construtora

Orçamentos são o coração do sucesso de um projeto de construção civil. Não é possível realizar nenhum dos passos, por mais detalhados que sejam, do planejamento se o orçamento não garante que todos os custos sejam cobertos.

Um orçamento mal elaborado impacta a qualidade do acabamento, o cumprimento de prazos e o fluxo de caixa da construtora. Ainda que seja possível estabelecer um orçamento que cubra todos os custos da obra sem o BDI, ele é determinante para garantir que a construtora cresça a medida que entrega as obras.

Quando pensamos no papel do cálculo BDI em garantir que todos os custos diretos e indiretos sejam considerados no orçamento, seu papel no sucesso da construtora fica claro. Por isso, seguir as melhores práticas é sempre essencial.

Quer entender mais sobre o BDI e sua importância para a construção civil? Acompanhe os conteúdos exclusivos do Obra Prima.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze − dois =