Cálculo do BDI na construção civil

Os principais erros no cálculo do BDI e como evitá-los

BDI pode ser uma grande vantagem competitiva ou um grande desastre para o orçamento, tudo depende de saber evitar erros. Descubra como.

Já comentamos sobre o que é o BDI e sua importância para a construção civil. 

Esse cálculo permite organizar todos os custos envolvidos na execução de uma obra e no funcionamento da construtora para precificar corretamente e elaborar um orçamento eficiente e que garanta a lucratividade do negócio.

No entanto, mesmo uma ferramenta tão útil quanto o BDI pode se transformar em um grande desafio quando não utilizada corretamente. 

Existem alguns erros de cálculo que, em lugar de beneficiar a obra, causam prejuízos e dificuldades para a construtora.

Saiba quais são eles e como evitá-los.

BDI e os erros de cálculo que a construtora não pode cometer

BDI e os erros de cálculo que a construtora não pode cometer

Conheça os 7 erros que podem ser cometidos no cálculo do BDI e saiba como otimizar ainda mais o uso dessa ferramenta para orçamentos de obra.

1 – Desconsiderar custos diretos e indiretos

O cálculo do BDI, para ser eficiente na elaboração de orçamentos, deve considerar os custos diretos e indiretos, não apenas os insumos do projeto. O perigo de esquecer esses custos é real, especialmente porque eles parecem óbvios.

Apesar de fácil de resolver, é o erro mais grave que pode ser cometido, por isso esteja sempre atento no momento do planejamento e desenvolvimento de orçamentos. 

Deixar uma lista pronta e sempre atualizada é uma boa solução, uma planilha simples do Excel é suficiente, especialmente por serem custos que não mudam no cálculo de um projeto para outro.

2 – Perder o controle do orçamento da obra

Controlar o orçamento de obra com ferramentas eficientes é essencial para que os cálculos estejam sempre corretos. 

Acompanhar cada detalhe dos insumos a serem adquiridos para a obra, garantir que não ocorram duplicatas de compras e que as horas de trabalho sejam contabilizadas de forma correta é muito importante.

O controle deve ser mantido mesmo depois de aprovado o orçamento. 

Mudanças no último momento podem acontecer em obras, mas devem sempre ser acompanhadas de perto no orçamento.

3 – Precificar errado serviços

O preço da obra para o cliente deve considerar cada elemento utilizado para organizar o projeto. Isso inclui a mão de obra contratada, não apenas os materiais. No entanto, esse não é um insumo fácil de precificar, exige atenção.

Saber quanto cobrar por serviços, dos mais comuns aos especializados, é de extrema importância. 

Pesquisar os preços praticados no mercado é uma das melhores formas de fazer essa precificação. 

Converse, também, com os prestadores de serviço para saber quanto eles cobrarão para realizar cada etapa da obra.

Lembre-se: a precificação de serviços de uma construtora é uma combinação de custos de materiais, custos de mãos de obra e margens de lucro.

4 – Desconsiderar custos de riscos que se concretizam

Acidentes e imprevistos acontecem na construção civil, mesmo se a construtora toma todas as medidas necessárias para conhecer e prevenir os riscos. 

Por isso, é essencial considerar cada um deles nos cálculos do BDI.

Um acidente no canteiro de obras ou um dia de chuva podem causar atrasos, mesmo se a construtora toma medidas para impedir impactos no projeto. 

Considerar que atrasos podem acontecer e que eles causam custos extra para o projeto é essencial para não ter problemas no orçamento.

5 – Tomar como base índices de preço desatualizados

Ter uma tabela de preços praticados no mercado é muito importante para otimizar o processo de organização do orçamento. 

No entanto, utilizar índices de preços desatualizados de tabelas antigas é um grande erro e pode transformar a eficiência em praticidade em prejuízo.

Uma maneira muito prática de evitar esse erro é tomar como base a Tabela Sinapi da região onde o projeto será executado. Dessa forma, a construtora terá a segurança de que os preços corretos são analisados no momento de elaborar um orçamento.

Não conhece a Tabela Sinapi? Nós explicamos >

6 – Não possuir todas as informações necessárias para o orçamento

Um orçamento correto é um orçamento completo. Detalhar ao máximo possível o planejamento dos projetos e dividir as necessidades da obra etapa por etapa é essencial para garantir que nenhum custo seja deixado de fora.

Organizar o orçamento junto com o cronograma de obras pode ajudar. 

À medida que cada etapa é detalhada, com serviços a serem executados, materiais necessários, custos unitários, mão de obra e outras informações, a cotação de cada insumo é inserida na tabela do orçamento.

Lembre-se: deixar detalhes de lado pode significar um custo mais alto que o previsto no final da obra.

7 – Calcular tudo manualmente

Muitas construtoras ainda se baseiam no antigo processo de papel e caneta (ou documento do word e lista do excel e calculadora) para fazer orçamentos. 

Ainda que seja uma forma válida para começar se facilita para o responsável organizar o pensamento, existem grandes chances de cometer muitos erros de cálculos.

Uma vírgula fora do lugar, um zero não contabilizado e seu orçamento se torna uma catástrofe. 

Por isso, adotar ferramentas digitais e automatizadas podem ser um grande diferencial na realização dos cálculos BDI.

BDI como diferencial estratégico na construção civil

Preço é um dos pontos que mais pesam na decisão dos clientes e oferecer o melhor custo benefício é essencial para construtoras estarem um passo à frente da concorrência. 

Garantir que o orçamento de obras seja em elaborado, então, é um diferencial estratégico que não pode ser deixado de lado.

Com o BDI, as construtoras podem controlar melhor custos de insumos e serviços e otimizar a inserção da margem de lucro, garantindo que preços mais baixos sejam oferecidos aos clientes sem que falte dinheiro para concluir o projeto.

Organize seu orçamento e ofereça as melhores negociações para os clientes sem perder a margem de lucratividade e crescimento da construtora evitando erros e otimizando os custos das obras.

Quer conhecer outras formas de otimizar a gestão de orçamentos de obras? Acompanhe os conteúdos do blog Obra Prima.